Membro Honorário

Nascido em Curitiba em 1926, é pintor, desenhista, crítico de arte, administrador e animador cultural. Neto de João Cândido Ferreira, ex-presidente do Estado, e filho do professor João Cândido Ferreira Filho, secretário de Estado da Agricultura durante o governo interino de Clotário Portugal. Na infância reside em Jacarezinho, mudando-se a seguir para o Rio de Janeiro. Além de frequentar as principais galerias de arte também frequenta a casa do arquiteto Dante Autuori, onde costumam comparecer artistas como Cândido Portinari, além de músicos famosos.

Em 1952, permanece durante três meses na Suíça, tendo a oportunidade de visitar vários países europeus. Transfere-se para Curitiba em 1953. Funda, dois anos depois, com o radiotelegrafista Alberto Nunes Matos, uma pequena fábrica de molduras que daria origem à Cocaco, na época, única galeria de arte da cidade e local de encontro de artistas e intelectuais. Participa do protesto contra os critérios acadêmicos de julgamento do Salão Paranaense, sendo um dos responsáveis pela instituição, naquele ano, do chamado “Salão dos Pré-julgados”.

Em 1961, no governo Ney Braga, é nomeado diretor do Departamento de Cultura da SEC, exercendo este cargo até 1969, período em que passa a ser sucessivamente convocado para assumir diversas funções burocráticas de âmbito cultural, especialmente nas artes plásticas. Em 1968, torna-se superintendente interino do Teatro Guaíra. É agraciado, em 1969, pelo governo italiano, com a Estrela da Solidariedade e Pesquisas Tecnológicas. Foi presidente da Fundação Cultural de Curitiba de maio de 1976 a março de 1979. Em sua gestão cria a Mostra Anual da Gravura Cidade de Curitiba. A seguir, coordena o Setor de Artes Plásticas da Secretaria de Estado da Cultura e do Esporte do Paraná.

Em 1987 projeta-se como um dos ideólogos do MAP, cuja direção assume até 1995. Em 1998 assume a direção da Casa Andrade Muricy. Sua produção como artista plástico, tanto na figuração, como nas pesquisas abstratas, mantém característica marcantemente lírica. Evocações Poéticas é o que, talvez, melhor definiria a sua obra, definitivamente subjetiva. Nas ilustrações, destaca-se pelo grafismo ágil e seguro.

Em 2006 a Galeria de Arte Zilda Fraletti lança o livro 40 Anos de Amistoso Envolvimento com a Arte, de autoria de Ennio Marques Ferreira. Por sua inegável importância para a cultura do Paraná, recebeu o titulo de Membro Honorário da Academia Paranaense de Letras, em 17 de abril de 2017.

 

(Com dados compilados do Dicionário das Artes Plásticas no Paraná, de Adalice M. de Araújo)