A Academia Paranaense de Letras (APL) foi fundada em Curitiba, em 26 de setembro de 1936, resultado de esforços liderados pelo Professor Doutor Ulysses Falcão Vieira para que o Estado tivesse uma entidade cultural representativa, como se pretendeu que fosse a Academia de Letras do Paraná, criada em 1922 e dissolvida poucos anos depois por divergências filosóficas.

Vieira reagrupou intelectuais dispostos a resgatar os valores acadêmicos e, sob sua presidência provisória, foram aclamados associados da APL alguns integrantes da extinta Academia: Dom Alberto José Gonçalves, Andrade Muricy, Azevedo Macedo, Dario Vellozo, Dídio Costa, Francisco Leite, João Cândido, Lacerda Pinto, Leôncio Correia, Leônidas de Loyola, Pamphilo d’Assupção, Romário Martins, Santa Ritta, Sebastião Paraná, Serafim França, Silveira Neto e Tasso da Silveira.

As cadeiras restantes, do total de 40, foram destinadas por uma comissão especial, no início de 1937, a: Alceu Chichorro, Angelo Guarinello, Ballão Júnior, Benedito Nicolau dos Santos, Ciro Silva, David Carneiro, Euclides Bandeira, Flávio Guimarães, Francisco Negrão, Heitor Stockler, Helvídio Silva, Hugo Simas, Ildefonso Serro Azul, Laertes Munhoz, Martins Gomes, Pereira de Macedo, Quintiliano Pedroso, Raul Gomes, Rodrigo Júnior, Sá Barreto, Sá Nunes, Ulysses Vieira e Valfrido Pilotto.

Desde seu nascimento e contra muitas adversidades, as atividades da Academia Paranaense de Letras nunca foram interrompidas. Passaram pelas suas cadeiras figuras das mais ilustres, e outras, de grande relevo, ainda as ocupam.

Ao longo dos tempos, a diretoria teve diferentes composições. Nomes que, eventualmente, se repetem, como em uma dança dos “imortais” em frente ao manche deste tão simbólico barco. Importante é que, em todos os momentos, remam juntos os quarenta, com a responsabilidade de ir sempre adiante, mas sem deixar para trás a história, a arte, a ciência, a imaginação: a cultura paranaense.

Fatos e curiosidades

1936

  • Com a fundação da Federação das Academias de Letras do Brasil, durante o 1º Congresso Nacional das Academias de Letras e Sociedades de Cultura Literária, teve início o planejamento da futura Academia Paranaense de Letras.
  • A reunião de fundação da APL aconteceu no anfiteatro da Escola Normal Secundária, à Rua Emiliano Perneta, no dia 26 de setembro de 1936.
  • No ato da fundação, foram aclamados 17 associados, todos pertencentes à antiga Academia de Letras do Paraná.
  • Os patronos das cadeiras foram escolhidos por seus primeiros ocupantes.

1937

  • No dia 13 de março de 1937, em reunião no salão nobre da Universidade Federal do Paraná, as 23 cadeiras faltantes foram preenchidas.
  • No dia 29 de maio, foi eleita a primeira diretoria da APL.
  • A primeira sede da Academia foi o apartamento 101, no primeiro andar do Palácio Avenida, na travessa da Oliveira Belo.

1940

  • Uma reformulação nas cadeiras, patronos e fundadores foi feita para que não se deixasse de fora nenhum importante nome. Por isso, se percebe que há fundadores que faleceram antes mesmo do nascimento da Academia, primeiros ocupantes que, de fato, foram os fundadores etc.

1941

  • Vieira, já com sérios problemas de saúde, é reeleito para mais um biênio.
  • A Academia passa a funcionar em nova sede, na Rua Monsenhor Celso, 243, no Edifício Luis Valente.

1942

  • Nova mudança de endereço. Devido a pressões políticas, a sede vai para a Sociedade Giuseppe Garibaldi, no Alto do São Francisco.
  • Quando falece Ulysses Vieira, em junho de 1942, Azevedo Macedo propõe que a presidência fique vaga até o final do mandato, ou seja, abril de 1943.

1944

  • Sá Barreto, eleito para 1943/1945, renunciou em julho de 44, assumindo Martins Gomes, que ocupava a vice-presidência.
  • Para comemorar o oitavo aniversário da APL, foi realizado um requintado almoço de confraternização no Grande Hotel Moderno.

1945

  • Nova mudança de sede, desta vez para a Rua Doutor Murici.
  • Martins Gomes é eleito para 1945/1947.

1966

  • Osvaldo Piloto é eleito para a presidência e a APL passa por revitalização.
  • As reuniões passam a acontecer no Instituto Histórico.
  • O acadêmico Raul Gomes se rebela pela não inclusão de Helena Kolody e Graciete Salmon nos quadros da entidade.

1970

  • Vasco Taborda Ribas assume a presidência da APL, onde permaneceu por 20 anos.

1990

  • Em 30 de outubro, Felício Raitani Neto é eleito e faz alterações em várias questões para tentar fortalecer a entidade.

1992

  • O humanista Valfrido Pilotto assume a presidência e inova fazendo convênios com organismos do Estado.

1994

  • Em 29 de novembro, assume Túlio Vargas, que institui nova dinâmica e postura, incentivando a abertura de academias no interior do Paraná.

2008

  • Com o falecimento de Túlio Vargas, em março, o mandato precisa ser completado por Lauro Grein Filho.

2010

  • José Carlos Veiga Lopes, eleito em 2008 para comandar a APL, também falece no exercício do cargo, em outubro de 2010. Ele foi substituído por Chloris Casagrande Justen.
  • Em dezembro, a Academia Paranaense de Letras elegeu Eduardo Rocha Virmond para a presidência.

2013

  • Chloris Casagrande Justen toma posse como presidente em sessão solene, no Clube Curitibano, em 20 de março de 2013.

2017

  • Aos seis dias do mês de março de dois mil e dezessete, no Salão Nobre da Ordem dos Advogados do Brasil — Seção do Paraná, Ernani Buchmann toma posse como presidente.