Nasceu em Curitiba no dia 15 de novembro de 1934, filho de Gabriel Dotti e Adelina Zulian Dotti. Formou-se pela Fa­culdade de Direito da UFPR, da qual é professor titular de Direito Penal. Com a obra Proteção da Vida Privada e Liber­dade de Informação, classificou-se em 1.° lugar no Concur­so Nacional de Letras Jurídicas, promovido pela Secretaria da Justiça do Paraná e o jornal Gazeta do Povo, em 1978, cujo prêmio (De Plácido e Silva) foi outorgado por Comissão presidida pelo Ministro do STF, Oswaldo Trigueiro, e da qual participaram, entre outros, o ex-ministro Seabra Fagundes, o jurisconsulto Miguel Reale e os mestres Washington de Barros Monteiro e Benjamin de Moraes Filho . Integrou o Conselho Diretor do Instituto Latino-Americano das Nações Unidas para Prevenção do Delito e Tratamento do Delinquente. É vice-pre­sidente da Associação Internacional do Direito Penal (com sede em Paris) e membro da Sociedade Mexicana de Criminologia. Ex-magistrado do TRE-PR.

É coautor do projeto de reforma da Parte Geral do Código Penal brasileiro e também da Lei de Execução Penal do Brasil (leis nº 7.209 e 7.210, de 11.07.1984) além de rela­tor do anteprojeto da nova Lei de Imprensa.

Nomeado secretário de Estado da Cultura (1987-1991), realizou obra de notável sensi­bilidade, dinamizando e modernizando a pasta. Após concluir sua ação pública, retor­nou à advocacia, notadamente no campo do Direito Penal.

Conselheiro Federal da OAB (2010-2012), foi agraciado com a Medalha Vieira Neto pela OAB/PR e com o título de Sócio Benemérito do Instituto dos Advogados do Para­ná. Em 2007, por proposta do Deputado Osmar Serraglio, recebeu a Medalha Mérito Legislativo da Câmara dos Deputados, pela sua contribuição aos trabalhos de reforma do sistema penal, processual e penitenciário, em comissões do Ministério da Justiça, entre os anos de 1978 a 2000. Entre outros trabalhos, publicou: Reforma Penal e Peni­tenciária; A Proteção Penal do Meio Ambiente; Bases Alternativas para o Sistema das Penas; Proteção da Vida Privada e Liberdade de Informação; Reforma Penal Brasilei­ra; Casos Criminais Célebres e Curso de Direito Penal – Parte Geral, 3ª edição. Na área literária tem colaborado em jornais e revistas com artigos, crônicas e contos. Durante o período universitário, dedicou-se ao teatro, participando ativamente. Daí o apoio que dispensou ao desenvolvimento das artes cênicas quando secretário da Cultura. Conferencista de nomeada, tem sido constantemente requisitado para expor concei­tos acerca da ciência penal. Seu interesse pelo aperfeiçoamento do Direito reflete-se na copiosa produção intelectual que compõe sua bibliografia.

Assumiu sua cadeira na APL em 14 de setembro de 1992, saudado pelo acadêmico Manoel de Oliveira Franco Sobrinho. (TV)

 

Patrono: Jesuíno Marcondes de Oliveira e Sá (1827-1903)
Fundador: Moysés Araújo Marcondes de Oliveira e Sá (1859-1928)
1.º Ocupante: Flávio Carvalho Guimarães (1891-1968)
2.º Ocupante: Newton Isaac da Silva Carneiro (1914-1987)